Ir para o conteúdo

Carmo da Cachoeira
Acompanhe-nos:
Rede Social facebook_carmo
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
MAI
13
13 MAI 2022
13 DE MAIO - DIA DA ABOLIÇÃO DA ESCRAVATURA
PROCESSANDO ÁUDIO

13 DE MAIO - DIA DA ABOLIÇÃO DA ESCRAVATURA









🗓️ A sanção da Lei Áurea aboliu oficialmente o trabalho escravo no Brasil, consolidando o 13 de maio como uma data de protestos contra violências que atravessaram séculos e continuam vitimando a população negra.









👸 Uma realidade que, por si só, coloca em xeque a narrativa registrada por muito tempo nos livros de história de que os males da escravidão teriam sido sanados no momento seguinte à assinatura de Princesa Isabel.









👨🏫 Segundo o professor da Universidade de Campinas (Unicamp) e pesquisador do Núcleo Afro do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap), Mateus Gato, o 13 de maio representa uma abolição para a população branca que escravizava negros e negras, e que, após a assinatura da lei, não indenizou a população preta e permaneceu sem criar mecanismos de amparo e inclusão no mercado de trabalho aos ex-escravos e seus descendentes.









👉 Por isso, é importante relembrar a data e suas consequências, mas em uma perspectiva completamente oposta à celebração ou reconhecimento à monarquia, regime então vigente no Brasil quando foi promulgada a lei abolicionista.









👉 O ativista ressalta que a luta do povo negro pela abolição surgiu desde o primeiro momento que uma pessoa escravizada foi trazida da África, contra um regime que buscava manter o controle social dos corpos negros, sem qualquer benevolência:




“Nossa luta não começou ontem, não começa hoje. Nossos ancestrais um dia ousaram sonhar com a liberdade, e nós somos frutos desses sonhos. Somos frutos de uma gente que sobreviveu ao horror com altivez, de uma gente que sonhou com um futuro diferente. Somos frutos de teóricos e militantes como Abdias Nascimento, Lélia Gonzáles, Guerreiro Ramos, que há muito tempo denunciam a farsa da abolição”.


Fonte: Mateus Gato, Universidade de Campinas (Unicamp).






"O povo negro são submetidos historicamente a um cotidiano de violência, ao cárcere, à morte, a um verdadeiro genocídio e a perseguição de expressões religiosas de matriz africana. É a continuidade do extermínio. Por isso, devemos refletir sobre a importância de dar voz e protagonismo para este povo".








🤔 Fica a dica: procure sempre conhecer o outro lado da história!!

Seta
Versão do Sistema: 3.2.2 - 02/05/2022
Copyright Instar - 2006-2022. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia