Ir para o conteúdo

Carmo da Cachoeira
Acompanhe-nos:
Rede Social facebook_carmo
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
NOV
20
20 NOV 2021
HOMENAGEM
REPRESENTATIVIDADE NEGRA NAS ESCOLAS
enviar para um amigo
receba notícias
PROCESSANDO ÁUDIO
Maria Aparecida da Silva, professora de história e diretora escolar no Centro de Educação Professora Zuleica Caldeira Reis.(Maria Silva)
Desde 2003, o Dia da Consciência Negra passou a ser incluído no calendário escolar de algumas cidades. A data é uma homenagem à resistência dos africanos e visa refletir sobre as desigualdades causadas pelo racismo estrutural.
Apesar deste dia, o racismo ainda se faz presente nas escolas sendo sustentado, muitas vezes, pela falta de representatividade negra no corpo de funcionários e nos materiais didáticos, ou mesmo pela maneira como estão inseridos neste ambiente.
Maria Aparecida, Cida como é chamada com carinho, se faz presente na luta para trazer à sala de aula como professora de história e na educação infantil como diretora, modelos de falas, pessoas e ações de pessoas negras importantes para nossa sociedade.
Ser um exemplo negro no ambiente escolar vai além de aprender sobre as suas raízes e cultura, é algo que está relacionado a aspectos pessoais, de autoconfiança e de segurança, fazendo com que os alunos reconheçam através de Cida que não existe lugar para o negro ou branco, etc., mas, sim, o lugar de onde ele quiser estar, por isso, a representatividade negra se faz necessário na “construção de identificação positiva existencial”.
Além da ocupação de diferentes cargos nas instituições de ensino, Cida é exemplo por destacar a importância de incluir a cultura afro-brasileira e personagens relevantes no processo de construção da nação brasileira nos materiais didáticos, de maneira multidisciplinar.
Somado à contratação de pessoas negras em cargos de gerenciamento, coordenação e no corpo docente, a professora e diretora Maria Aparecida da Silva, reforça que as escolas precisam capacitar esses profissionais, através do letramento racial.
O racismo institucional deve ser pauta nas reuniões e encontros da equipe educacional. O papel da escola é desconstruir estereótipos, conscientizar as crianças sobre as consequências do racismo, e trabalhar a cultura afro-brasileira de maneira plural, em todas as áreas do conhecimento, algo que hoje não acontece.
“Não importa a cor do cabelo, o estilo das roupas, muito menos a cor da pele. Nada disso define caráter”, disse Maria Aparecida.
Fonte: Secretaria Municipal deCultura
Local: Carmo da Cachoeira - MG
Seta
Versão do Sistema: 3.2.6 - 05/09/2022
Copyright Instar - 2006-2022. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia